Aliados abandonam Eduardo Cunha em fase final de processo de cassação

Qui, 08 de setembro de 2016 • 10:13 • Política

Grupos que formam o chamado "centrão" decidiram não participar da tentativa de salvar o mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). De acordo com a Folha de S.Paulo, o ato reforça a tendência de que ele tenha o mandato cassado na votação prevista para a noite de segunda (12).
 
O "centrão" formava, com o PMDB, a base de sustentação de Eduardo Cunha, que está afastado do mandato desde o dia 5 de maio por ordem do Supremo Tribunal Federal. 
 
Ainda segundo a Folha, os maiores partidos do "centrão" são o PP (47 cadeiras), o PR (42), o PSD (35), o PRB (22) e o PTB (18). O PRB já declarou apoio ao parecer do Conselho de Ética pela cassação de Cunha.
 
Líderes de dez partidos políticos (PT, PSDB, PSB, DEM, PRB, PDT, PC do B, PPS, PSOL e Rede), que reúnem 238 deputados, já haviam afirmado à Folha que suas bancadas votarão em peso pela cassação de Cunha, apenas 19 votos a menos do que o mínimo exigido para a punição (257 dos 511 votos possíveis).
 
A tendência é a de que haja votos pela cassação também no PP, PTB e PMDB (a maior bancada da Casa, com 66 cadeiras), mas em menor escala –a não ser que até segunda a percepção da cassação se consolide entre os deputados, o que criaria uma onda contra o peemedebista.
 
A votação de segunda, que começa às 19h, é aberta. O próprio Cunha poderá comparecer à sessão para se defender das acusações. Se cassado, ele ficará inelegível até janeiro de 2027, quando terá 68 anos.
 
(Com informação da Folha de S.Paulo)
 
Fonte: Portal BOL - www.bol.uol.com.br

Fotos